Desvioo Zine #2

(em Português abaixo)

Notes on Rojava

An opinion piece on the problematic aspects of the Rojava hype.

The biggest hipster hype engine, Vice, has called Rojava “the most feminist revolution the world has ever witnessed”(1).
Variations of this statement were widespread through radical media for over a year. We must be cautious with the media because it has the power to advertise political ideas that justify Western terrorism(3)(11) and imperialism(9). We fall for it because it’s a story we want to hear: a force against ISIL that caters to the radical neoliberal audience. But we can, without realizing, be promoting the rise of islamophobia as a pretext for further Western military intervention in the Middle East.

Claiming Rojava represents a feminist oasis in the Middle East implies anti-feminism in its surroundings. This is islamophobic rhetoric. Carne Ross, writing for Vice, even went on to write that Rojava represents “the right of self-defense against all anti-woman practices and ideas, including those of traditional society, not just the extreme violence of Daesh”(1).

What kind of feminism are we talking about here? One where “women become worthy of respect as long as they turn into men of arms and sacrifice themselves on the battlefield”(5), just as American women become executives and earn almost the same as their male peers? It’s a kind of feminism that perpetuates islamophobic stereotypes, that fetishizes images of Kurdish women with guns(7), that justifies foreign military occupation, and the violent destabilization of a region by the West. We don’t see a real Rojava, we see a reflection of our own reactionary feminism.

Vice gives a glimpse of something no one wants to see when it states that the Kurdish Syrian Democratic Forces “currently enjoys US and allied military support”, while the “US and indeed Western governments are involved in a grotesque contradiction in which they permit NATO “partner” Turkey to attack the SDF”. Then they quickly distract the audience with another article called “We Need to Talk About Simon Cowell’s Jeans”(8)…

There must be another way to prevent Turkey and ISIL from crushing Rojava, other than to “loosen counterterrorism rules”(13), to deploy American forces to the region(4),  and to bomb civilians(12). Perhaps an alternative is to use NATO to rebuke Turkey’s actions, as opposed to using it for air-base access(14), or to stop selling billions of US dollars worth of weapons to Saudi Arabia(15). We’ve been adding fuel to fire, thinking only conflagration could defeat ISIL.

Last year, Rojava had its own temporary embassy inside Oslo’s parliament, helping the city build its reputation as the ‘peace capital of the world’(16). We should be able to support Rojava and Kurds in general, but are we able to show solidarity without making it about ourselves? Turning people into tourist attractions and tokens is not an act of solidarity. And when we engage in political propaganda, whose interests are we promoting?

After seeing islamophobic and racist speeches by politicians in the Netherlands about how Turkey will never join the EU(2), I can’t help but think that maybe the Kurds are being made into what Western Europe wanted the Turkish to be(10)(17). We haven’t stopped endorsing what the West wants, and manufacturing an ideological supply for our own demands.

We can still learn how to make better political affiliations, be critical towards the media, and continue to share information about this even if it contradicts things we’ve said before. If we are serious about anarchism and feminism, it’s important to focus on the anti-woman practices and oppression proliferated from our own communities.

We need to start listening to people like Suhaiymah Manzoor-Khan, the 22-year-old poet who said: “If you need me to prove my humanity, I’m not the one who’s not human”(6). Rojava isn’t the only place worthy of attention just because they have proven their humanity to us. Even though we respect everything they have done, fought and died for, we must also fight islamophobia in general with every bit of energy we’ve got. Let’s not forget and let it happen never again(18).

 


About State terrorism, and its genocidal tool of social control

An article that explores the culture of fear as an instrument of imposing the power of a governmental, capitalist, neocolonial, and genocidal system.

The culture of fear has been part of Brazilian life for many years, most recently exemplified by the military regime of the 1960s. To generate this fear in the population, the State used terrorist tactics to impose its control, such as censorship, murder, physical and psychological torture. State terrorism is vastly recorded as a phenomenon of governments that have formed from revolutionary factions. What is recorded is only a fraction of reality, and the little recorded is an interpretation of a small fraction of the population: a white elite.

Chomsky is an example of a white intellectual elite who succeeded in elevating the theories of Latin Americans on the topic of “genocidal and dictatorial democracy”. In the same way, Sartre helped elevate Fanon’s work, so we can not ignore our reliance on white people to inscribe ‘other’ thinkers in history. With or without recognition and records, State terrorism still exists today, and it’s not motivated by revolutionary interests, but instead by the reactionary interests of the elites and the preservation of the status quo.

“Just as the Indian was branded a savage beast to justify his exploitation, so those who have sought social guerrillas, or terrorists, or drug dealers, or whatever the current term of art may be.”

(Piero Gleijeses, as cited by Noam Chomsky)

The CIA’s supposedly secret 1969 document, The Situation in Brazil, describes the continuity of US political manipulation and praises the economic development brought about by the military dictatorship. All the men concurring describe the preliminary symptoms of the insurgency as “sporadic urban terrorism” executed by “disorganized” and “weak” “revolutionary fanatics”. At the same time, the opposition being “demoralized” through “censorship” and “oppression” is only considered an effective strategy to prevent the rise of a symbol of resistance.

Today in the United States, the categorization of ‘terrorism’ is widely recognized as inconsistent and racist: Arabs are, and white people are not. Today in Brazil, it is also necessary to recognize terrorist acts of the State in order to avoid racist inconsistencies such as poor black people terrorize, while the government and the police don’t. To dissect this racist double standard, we can see the media as an instrument of cultural manipulation, and what the motivation is behind this manipulation.

When the media reports, it also records history and influences opinions. There is an excess of sensationalist reports of crimes committed by poor black people, which generates widespread anxiety. The streets of Salvador are soaked with fear and remain empty at night, a desolation which in turn leads to more danger, and this way a vicious cycle is sustained.

“Today in Salvador from 8:00 p.m. it’s rare to find people strolling around in most of the neighborhoods.”

(Jean, a local from Salvador)

The motivation behind sensationalism is not only grabbing and increasing an audience, it is also feeding the culture of fear. This culture of fear creates a pretext for military police violence, for the racist devaluation of black lives, and consequently for the genocide of black people in poor communities. The excess contingent that does not benefit the capitalist system can be exterminated under the pretext of protecting the supposedly peaceful and non-criminal bourgeois white life.

The unstated and unrecorded reports are the ones from those who are devalued for not benefiting the system. The culture of fear itself has great pro-system power, it institutionalizes social control, street dynamics, product sales, and urban development. Most parts of Salvador seem to have been built for cars since many people are afraid to walk the streets. Shopping Malls, fashion, security, and segregation were created to benefit the bourgeoisie, and have been the rebranding of apartheid.

Why do white people hide in fear and fail to rupture with this system, while others are mass murdered? White innocence is not really naive, it’s deliberate. Because in this deliberate innocence we can preserve our advantage while at the same time not be considered a racist. Which is an extremely cruel thing to do, because we destroy with one hand what we build with the other. I, as a white passing Brazilian, had to hear this from a black Dutchwoman, in an intersection of our realities, to see the global neocolonial context and the magnitude of white supremacy.

It hurts to recognize the violence to which we are accessories, but it hurts more for the foremost recipients of this violence. We have to see the problem clearly, in order to begin solving it. And those who see genocide as a solution to the failure of capitalism will undoubtedly be our enemies.

Regarding Women

Considering that the Brazilian government deploys military forces to attack its own people, the Nation this war is meant to protect is not only white but also male. Women, in particular, are afraid to walk alone on the streets after sunset. Women are even afraid to drive their cars alone. They disguise themselves as men with caps, the wealthier women hire male drivers, and many just don’t go out at all. Needing men to protect women from other men is not a solution to patriarchal violence, it’s a perpetuation of it.

Trans women are not even safe at hospitals, much less on the streets (even if that’s where they work). Even though there has been a steady growth of empowering media representation, and a strong protective community, Brazil has had horrific records of transphobic violence.

Whenever the black youth is murdered by military police, they leave mothers, often single, completely devastated and hopeless. Their endless pain is exacerbated by the impunity, and by the continuous presence of the police in their communities and around other black children.

State terrorism affects all women; white, black, trans, rich or poor, though some more than others. Brazil is also not the only country being lead by genocidal white men right now, so don’t finish this article feeling sorry for a ‘developing nation’ but instead by realizing where we are getting all of this mess from.

 


em Português

Sobre o terrorismo do Estado, e sua ferramenta genocida de controle social.

Um artigo que explora a cultura do medo como instrumento de imposição do poder de um sistema governamental, capitalista, neocolonial, e genocida.

A cultura do medo faz parte da vida dos Brasileiros a muitos anos, mais recentemente exemplificada pelo regime militar dos anos 60. Para gerar esse medo na população, O Estado usou táticas terroristas para impor seu controle, como censura, assassinato, tortura física e psicológica. O terrorismo do Estado é vastamente registrado como um fenômeno de governos que se formaram de facções revolucionarias. O que é registrado é apenas uma fração da realidade, e o pouco registrado é uma interpretação de uma pequena fração da população: uma elite branca.

Chomsky é um exemplo de elite intelectual branca que conseguiu erguer as teorias de latinos americanos sobre o tópico de “democracia genocida” e ‘ditatorial’. Da mesma forma, Sartre ajudou a valorizar o trabalho de Fanon, então não podemos ignorar a dependência que temos de brancos pra estampar ‘outrxs’ pensadorxs na historia. Com ou sem o reconhecimento e o registro, o terrorismo do Estado existe ainda hoje, e não é motivado por interesses revolucionários, mas ao invés protege o status quo, e os interesses reacionários das elites.

“Assim como xs nativxs foram demarcarxs bichos selvagens pra justificar sua exploração, também são aquelxs que buscaram guerrilhas sociais, terroristas, ou traficantes de drogas, ou qualquer que seja o termo atual da arte.”

(Piero Gleijeses, como descrito por Noam Chomsky, com a inclusão de termos não-binários)

O documento supostamente secreto de 1969 forjado pela CIA chamado “A situação no Brasil” descreve a continuidade de manipulação política dos Estados Unidos, e elogia o desenvolvimento econômico trazido pela ditadura militar. Eles (apoiadores do documento, que de fato eram todos homens) descrevem os sintomas preliminares de insurgência como “terrorismo urbano esporádico”, executado por “fanáticos revolucionários” ‘desorganizados’ e ‘fracos’. Ao mesmo tempo, a ‘desmoralização’, ‘censura’, e ‘opressão’ da oposição é considerada apenas uma estratégia eficaz de previnir a ascensão de um símbolo de resistência.

Hoje, nos Estados Unidos, a categorização de ‘terrorismo’ é extensamente reconhecida como inconsistente e racista: árabes são sim, e brancos não são. Hoje, no Brasil, é também necessário reconhecer atos terroristas do Estado, para evitar tais inconsistências racistas como: o negro pobre aterroriza, enquanto o governo e a policia não. Para dissecar essa inconsistência racista, vamos ver a mídia como instrumento de manipulação cultural, e qual é a motivação por traz dessa manipulação.

A mídia quando relata, também registra e influencia. Existe um excesso de relatos sensacionalistas de crimes cometidos pelo povo pobre negro, o que gera um anseio geral. As ruas de Salvador são encharcadas de medo e ficam vazias na noite, o que em torno deixam as ruas mais perigosas, gerando um ciclo vicioso.

“hoje em Salvador a partir das 8hs da noite raro encontrar pessoas passeando na maioria dos bairros.”

(Relato de um soteropolitano) 

A motivação por traz do sensacionalismo não é só maior audiência, é também alimentar a cultura de medo. Essa cultura de medo gera pretexto pra violência policial militar, pra desvalorização racista das vidas de negrxs, e consequentemente pro genocídio de negrxs em comunidades pobres. O excesso de contingente que não beneficia o sistema capitalista pode ser exterminado com o pretexto de proteger a vida burguesa branca, supostamente pacifica e não criminosa.

Os relatos não divulgados e não registrados, são os relatos de quem não é valorizado por não ter beneficio pro sistema. A cultura de medo em si tem um grande valor pro sistema, de controle social, dinâmica nas ruas, venda de produtos, e desenvolvimento urbano. A cidade em muitas partes parece que foi construída pra carros, ja que muitas pessoas tem medo das ruas. Shoppings, fashion, seguranças, segregação foram criados pra beneficiar a burguesia, e normalizar a alienação dxs mais pobres e desvalorizadxs.

Por que a burguesia se esconde no medo e falha em romper com essa realidade, enquanto outrxs são assassinadxs em massa? A inocência branca não é realmente ingênua, é deliberada. Porque nesta inocência deliberada podemos preservar a nossa vantagem, enquanto ao mesmo não ser consideradx racista. O que é uma coisa extremamente cruel, porque destruímos com uma mão o que construimos coma outra. Eu, como brasileira branca, tive que ouvir isso de uma holandesa negra, num espaço intermediário aonde as nossas realidades se cruzaram, pra enxergar o contexto global neocolonial de supremacia branca.

“O pior cego é aquele que, tendo olhos sadios, não sabe entender o que eles lhe mostram.” (Ricardo Líper, da Maloca Libertária em Salvador.)

Pior ainda somos nós que, com olhos sadios e sabendo entender, não queremos ver. Dói reconhecer a violência da qual somos cúmplices, mas dói mais para as principais vítimas do terrorismo do Estado. Temos que ver o problema claramente para começar a resolver.  E aqueles que vêem o genocídio como uma solução para o fracasso do capitalismo serão sem dúvida xs nossxs inimigxs.

Em relação às mulheres

Considerando que o governo Brasileiro envia forças militares para atacar seu próprio povo, a Nação que esta guerra protege não é apenas branca, mas é também masculina. As mulheres em particular têm medo de andar sozinhas nas ruas após o pôr-do-sol. As mulheres têm medo de dirigir seus carros sozinhas. Elas se disfarçam de homens com boné, as mulheres mais ricas contratam motoristas masculinos, e muitas simplesmente não saem. Depender dos homens pra proteger as mulheres contra a violência de outros homens não é uma solução para a violência patriarcal, é uma perpetuação dela.

As mulheres trans não são nem seguras nos hospitais, muito menos nas ruas (mesmo que seja onde elas trabalham). Embora tenha havido um aumento da representação empoderadora da mídia e de uma forte comunidade protetora, o Brasil ainda tem registros horriveis de violência transfóbica.

Sempre que a juventude negra é assassinada pela polícia militar, eles deixam mães, muitas vezes solteiras, completamente devastadas e sem esperança. Sua dor infinita é exacerbada pela impunidade, e pela presença contínua da polícia em suas comunidades e em torno de outras crianças negras.

O terrorismo de Estado afeta todas as mulheres; brancas, negras, trans, ricas ou pobres, embora mais umas do que outras. Quando reconhecermos o problema e nos unirmos em função da solução, conseguiremos impor significantes mudanças.

___

Referências: a Favela não se cala, a Reaja ou Será Morta Reaja ou Será Morto, Gloria Wekker, Noam Chomsky, CIA February 13 1969, Slavoj Žižek

__________________________________________________________________________

Notas sobre Rojava

opinião sobre os aspectos problemáticos da ‘hype’ de Rojava.

A maior produtora de ‘hypes’ hipsters, Vice, falou que Rojava é “a revolução mais feminista que o mundo já testemunhou” (1). Variações desta afirmação foram divulgadas através de meios de comunicação radicais por mais de um ano. Devemos ser cautelosos com a mídia, porque ela tem o poder de promover idéias políticas que justificam o terrorismo ocidental (3)(11) e o imperialismo (9). Nós acreditamos nisso porque é uma história que queremos ouvir: uma força contra o ISIL que é atraente pro público radical neoliberal. Mas podemos, sem perceber, promover a propagação da islamofobia como pretexto para uma futura intervenção militar ocidental no Oriente Médio.

Divulgar que Rojava representa um oásis feminista no Oriente Médio implica que nos arredores ha anti-feminismo. Esta é uma retórica islamofóbica. Carne Ross, escrevendo para a Vice, ainda escreve que Rojava representa “o direito de autodefesa contra todas as práticas e ideias contra a mulher, inclusive as da sociedade tradicional, e não apenas a extrema violência de Daesh” (1).

De que tipo de feminismo estamos falando aqui? Um em que “as mulheres se tornam dignas de respeito enquanto se transformam em homens de exército e se sacrificam no campo de batalha” (5), assim como as mulheres americanas se tornam executivas e ganham quase o mesmo que os seus parceiros homens? É uma espécie de feminismo que perpetua estereótipos islamofóbicos, que fetichiza imagens de mulheres curdas com armas (7), que justifica a ocupação militar estrangeira e a desestabilização violenta de uma região pela mão do Ocidente. Não vemos uma Rojava real, vemos um reflexo do nosso próprio feminismo reacionário.

A Vice brevemente revela algo que ninguém quer ver quando afirma que as Forças Curdas Democráticas da Síria “atualmente desfrutam dos EUA e do apoio militar aliado”, enquanto “os governos dos EUA e de fato ocidentais estão envolvidos em uma grotesca contradição na qual eles permitem a “parceira” Turquia da OTAN a atacar a SDF”. Depois disso logo distraem a audiência com outro artigo chamado “Precisamos falar sobre os Jeans de Simon Cowell” (8)…

Deve haver outra maneira de evitar que a Turquia e o ISIL destruam Rojava, além de “afrouxar as regras do contra-terrorismo” (13), implantar as forças americanas na região (4), e bombardear cidadãos (12). Talvez uma alternativa seja usar a OTAN para repreender as ações da Turquia, ao invés de usá-la para o acesso à base de ar (14), ou parar de vender bilhões de dólares em armas para a Arábia Saudita (15). Nós estamos adicionando combustível ao fogo, pensando que a conflagração poderia derrotar o ISIL.

No ano passado, Rojava teve sua própria embaixada temporária dentro do parlamento de Oslo, ajudando a cidade a construir sua reputação como a “capital da paz do mundo” (16). Podemos apoiar Rojava e curdos em geral, mas somos capazes de mostrar solidariedade sem a transformar em algo sobre nós mesmos? Fazer das pessoas atrações turísticas e tokens não é um ato de solidariedade. E quando nos dedicamos à propaganda política, de quem são os interesses que estamos promovendo?

Depois de ver discursos islamofóbicos e racistas de políticos na Holanda sobre como a Turquia nunca se juntará à UE (2), não posso deixar de pensar que talvez os curdos estejam sendo transformados no que a Europa Ocidental queria que o turco fosse (10)(17). Não paramos de focar no que o Ocidente quer, e de fabricar uma fonte ideológica para estas demandas Ocidentais.

Nós ainda podemos aprender a fazer melhores afiliações políticas, ter uma visão crítica da mídia, e continuar a compartilhar informações sobre isso, mesmo que contradissesse as coisas que dissemos antes. Se levamos o anarquismo e o feminismo a sério, é importante focar as práticas contra a mulher e a opressão proliferada de nossas próprias comunidades.

Precisamos começar a ouvir pessoas como Suhaiymah Manzoor-Khan, x poeta de 22 anos que disse: “Se você precisa que eu prove minha humanidade, não sou eu que não é humano” (6). Rojava não é o único lugar digno de atenção apenas porque provaram sua humanidade para nós. Embora respeitamos tudo o que eles e elas fizeram, lutaram e morreram defendendo, devemos também lutar contra a islamofobia em geral com toda a energia que temos. Não esqueçamos e não deixamos acontecer nunca mais (18).

_________________________________________________________________________________

1- https://www.vice.com/en_uk/article/43dmgm/the-most-feminist-revolution-the-world-has-ever-witnessed

2- http://www.reuters.com/article/us-netherlands-turkey-wilders/dutch-far-right-leader-wilders-tells-turks-you-will-never-join-eu-idUSKBN0TN1UM20151204

3- http://www.aljazeera.com/programmes/specialseries/2017/03/occupation-american-mind-170304122330451.html

4-http://www.thedailybeast.com/us-troops-18-miles-from-isis-capital

5-http://www.aljazeera.com/indepth/opinion/2016/08/rojava-libertarian-myth-scrutiny-160804083743648.html

6-http://www.huffpostbrasil.com/entry/suhaiymah-manzoor-khan-slam-poet_us_595d26c9e4b0da2c7326cf5c

7-http://www.bbc.com/news/world-middle-east-37337908?SThisFB

8-https://www.vice.com/en_uk/article/ywweax/we-need-to-talk-about-simon-cowells-jeans

9- https://chomsky.info/197703__/

10- http://www.newsweek.com/turkeys-syria-intervention-sign-weakness-not-strength-501516

11- http://www.independent.co.uk/news/world/americas/us-politics/donald-trump-civilian-deaths-syria-iraq-middle-east-a7649486.html

12- https://www.nytimes.com/2017/03/22/world/middleeast/syria-us-airstrike.html

13- https://www.nytimes.com/2017/03/12/us/politics/trump-loosen-counterterrorism-rules.html

14-https://www.economist.com/blogs/economist-explains/2015/07/economist-explains-21

15- http://www.independent.co.uk/news/uk/politics/saudi-arabia-arms-sales-theresa-may-britain-extremist-funding-poll-public-a7843061.html

16- http://www.e-flux.com/announcements/78967/oslo-architecture-triennale-2016after-belonging/

17- Hamid Dabashi, Brown Skin, White Masks. New York and London: Pluto Press, 2011.

18- https://www.brainyquote.com/quotes/quotes/d/davidnovak637850.html